Aplicativo: Moda Livre

app-moda-livre-logoEstou abrindo uma nova categoria de postagem aqui no #Blog e indo de encontro a maré logo de inicio. Desculpem minhas colegas fashionistas e bloggueiras de moda, mas o assunto é um pouco sério. Trabalho escravo no mundo da moda, como isso pode acontecer ainda hoje? Com tantas formas tecnológicas de trabalhar com tecidos e com tantas maneiras de apresentar um produto com exclusividade, ainda temos marcas que terceirizam empresas que fazem abuso desse tipo de trabalho.

Jamais faria um post ❝ Não compre essa marca… Ou aquela! ❞, cada um sabe o que faz com o seu dinheiro, mas a idéia conscientizar a forma de como esta sendo feita a roupa que você gasta uma fortuna naquela loja de grife transada em uma das ruas mais caras do Brasil. Por esse motivo a ONG Repórter Brasil lançou o aplicativo Moda Livre para avaliar as principais lojas varejistas de roupas no País com a intenção de combater o trabalho escravo dentro das marcas de moda.

app-moda-livre-tagsO App é super simples e funcional, ele pontua as empresas com três categorias: verde, amarelo e vermelho (vide quadro ao lado). As varejistas que estiverem em vermelho, por exemplo, não responderam o questionário. Alguns meses atrás vimos o escândalo envolvendo a Zara, loja de departamento em moda unissex, e o que mais fiquei surpreso é que temos outras marcas super conhecidas com o target vermelho, como: FORUM, John John, 775, Colcci, Collins, Bo.Bô, Le Lis Blanc, entre outras. Vale muito à pena baixar o App e ficar plugado nessas e em outras marcas e saber o que acontece na industria têxtil nacional e mundial.

app-moda-livre-interface

Vamos fazer compras consciente da procedência e da forma que elas estão sendo feitas, nada de incentivar o trabalho escravo. Pense nisso!
Baixe o Moda Livre na Apple Store ou Google Play.

Fotos: Reprodução

SPFW Inverno 2012 – Dia 1

Enquanto o frio não chega, que tal pensar no que vai ser tendência nesse inverno?! Não existe vitrine melhor que o SPFW para mostrar tudo o que vai estar na moda quando o frio chegar. Nessa edição, os grandes estilistas vão mostrar suas coleções de inverno para o Brasil e para o Mundo.

Para abrir o primeiro dia de desfile a Animale, assinada por Priscilla Darolt, deixou de lado a moda esportiva e trouxe uma coleção mais voltada para festa. Usou em sua matéria-prima o couro de búfalo prensado com algodão e texturizado em relevo de píton. O veludo e a transparência se misturam com o crochê e a seda. Ficou uma coleção simples perante tudo que a Animale já mostrou, mas de muito bom gosto. Para mulheres requintadas e que gostam de se vestir bem.

Eduardo Pombal assinou uma coleção perfeita para inverno da Tufi Duek, como dizem: Classuda! Na cartela de cores: branco, preto, cinza, caramelo e todos os metalizados: ouro, prata, cobre, bronze. Para realçar as formas dos vestidos e dos mantôs, todas as peças tiveram acabamento de tiras de couro negro. A mulher do século XXI vai estar muito bem vestida nesse inverno.

Não é nem certo eu dizer algo desse tipo, mas achei a coleção da Cori muito parecido com algumas coleções já apresentada pela marca internacional, Louis Vuitton. Um ponto à favor pois acho a label riquíssima de detalhes e muito chic em suas peças. Na cartela de cores da Cori o neutro veio em diversas tonalidades, peças em verde luminoso, turquesa, coral e listras. Coleção totalmente comercial, outro ponto para a Cori.

Sou apaixonado pelos casacos da Osklen, esses, que me fazem sempre ter um olhar para a marca. Nessa temporada a label trouxe uma cartela de cores com: verde militar, azul, vermelho, laranja, preto, cinza, marrom, dourado e algumas estampas florais. Em matéria-prima como: lã, veludo de seda, couro, chamois, pele sintética, neoprene, organza de seda, moletom e os e-fabrics: couro de salmão, couro de pirarucu, seda, tricô e gorgurão orgânicos. Adorei os casacos e coletes de pelúcia. Torcer para o nosso inverno ser de frio, frio mesmo!

Fotos: Charles Naseh | Chic